Colecistectomia

Retirada da Vesícula Biliar - Pedra na Vesícula

Sobre a cirurgia

A única forma de tratamento da pedra ou cálculo da vesícula é a retirada da vesícula biliar.

A retirada da vesícula pode ser  realizada por via laparoscópica na maioria dos pacientes ("operação dos furinhos"). Inicialmente, é injetado gás (gás carbônico) dentro do abdômen (barriga) para criar um espaço, onde o cirurgião poderá fazer a operação com segurança. Após a realização de 4 furinhos de meio a um centímetro, uma câmera de televisão pequena é colocada dentro do abdômen através de um dos furinhos para que o cirurgião e sua equipe possam visualizar todo o abdômen em uma televisão. Os instrumentos (pinças, tesouras, material de sutura, etc) são colocados através dos outros furinhos para ajudar a retirar a vesícula.

Após a retirada, vou ter alguma restrição alimentar?
Você  precisará modificar a sua dieta após a operação, com a diminuição da ingestão de alimentos gordurosos ou frituras .  A  vesícula biliar  tem como  função   no organismo,  armazenar bile. A vesícula não produz bile, apenas ajuda no seu armazenamento. A produção da bile pelo fígado continua normal após a retirada da vesícula. A bile atua no processo de digestão de gorduras . Seguindo uma dieta com baixo teor de gorduras ,  as sequelas ou consequências para o organismo após a retirada da vesícula , são mínimas ou pouco frequentes.

Vantagens do Tratamento Cirúrgico
- Recuperação rápida do paciente: a maioria dos pacientes fica internada no hospital somente um dia e pode retornar ao trabalho e realizar todas suas atividade, inclusive esportivas, em 1 ou 2 semanas.
- Resolução completa e definitiva da doença.
- Pouca dor pós-operatória.
- Cicatriz cirúrgica mínima, porque são realizados somente 4 furinhos.
- Risco de infecção pequeno.

Apesar dos resultados do tratamento cirúrgico serem excelentes, alguns pacientes podem ter complicações, como em qualquer procedimento cirúrgico. As complicações mais comuns são lesão de via biliar ,  lesões de vísceras sólidas , perfuração de vísceras ocas ,  infecção, sangramento e risco anestésico. Caso não seja possível realizar a operação pela técnica videolaparoscópica ("técnica dos furinhos"), pode ser necessário fazer uma incisão (corte) maior no seu abdômen para terminar a operação. Os riscos da operação são mais comuns nos pacientes que apresentam doença grave ou complicações, como inflamação da vesícula, icterícia, pancreatite aguda, no momento da operação. Nestas situações, a operação é geralmente mais difícil de ser realizada e deve ser realizada de emergência.